Supra

Supremo de ontem e de hoje: como fica o aborto agora?

A decisão da Primeira Turma que abriu precedente para aborto até terceiro mês de gravidez
Juliana Cesario Alvim Gomes
Aa Aa

Ontem, em decisão histórica, três dos cinco ministros da primeira turma do Supremo determinaram que a criminalização do aborto realizado no primeiro trimestre de gravidez viola direitos fundamentais da mulher.

A decisão foi recebida com surpresa: não havia, até então, indicações de que a criminalização do aborto seria discutida aqui.  O caso envolvia a liberdade de cinco médicos e enfermeiros presos em flagrante por terem realizado quatro abortos consentidos em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, e poderia ter sido resolvido, como defendido pelos ministros Luiz Fux e Marco Aurélio (relator original do caso), pela ausência dos requisitos para a concessão da cautelar, em termos meramente processuais.

Entretanto, longe de ser precipitada, a decisão é urgente e necessária.

Embora súbita, ela não surgiu do nada. Trata-se da continuação de uma conversa iniciada, no âmbito do Supremo, há pelo menos doze anos, quando a questão da constitucionalidade da interrupção de gravidez do feto anencefálico chegou ao tribunal. Em 2004, a liminar concedida para a realização do procedimento foi cassada poucos meses depois e apenas em 2012 o STF julgou o mérito do caso autorizando a realização da interrupção da gravidez nessas hipóteses. À época, o Supremo proferiu decisão limitada ao aborto de fetos com anencefalia. Mas deu o pontapé inicial em um debate mais amplo. A decisão de ontem nada mais é que seu desenrolar natural, em consonância com a jurisprudência do Supremo favorável aos direitos das mulheres que vem sendo estabelecida nos últimos anos, tendo como julgamentos emblemáticos o que previu a exclusão da licença gestante do teto para o valor dos benefícios do regime geral de previdência social e o que reconheceu a constitucionalidade da Lei Maria da Penha.

Do ponto de vista substantivo, a decisão se justifica não apenas pelo risco concreto à liberdade dos médicos e enfermeiros acusados, mas pela urgência em remediar violações frontais e cotidianas aos direitos as mulheres. Estimativas apontam que cerca de um milhão de abortos são realizados por ano no Brasil. A falta de amparo legal e as condições precárias em que são realizados fazem com que o abortamento seja uma das principais causas de mortalidade materna no país. Em especial, tratar como crime a prática do aborto tem um efeito enviesado na prática. Impacta desproporcionalmente mulheres negras e pobres, que não podem recorrer ao sistema público de saúde para realizar o procedimento ou buscar tratamento por complicações decorrentes de abortos clandestinos, enquanto mulheres que dispõem dos meios econômicos podem realizá-lo de maneira mais segura, minorando os danos à sua a saúde e o risco de criminalização.

Como apontou o voto condutor para o redator do acórdão,  ministro Barroso, a criminalização do aborto viola: “os direitos sexuais e reprodutivos da mulher, que não pode ser obrigada pelo Estado a manter uma gestação indesejada; a autonomia da mulher, que deve conservar o direito de fazer suas escolhas existenciais; a integridade física e psíquica da gestante, que é quem sofre, no seu corpo e no seu psiquismo, os efeitos da gravidez; e a igualdade da mulher, já que homens não engravidam e, portanto, a equiparação plena de gênero depende de se respeitar a vontade da mulher nessa matéria”.

A Constituição há quase 30 anos consagrou a igualdade de gênero. Mas, nesse meio tempo, os dispositivos do Código Penal que vedam o aborto, instituídos durante a ditadura Vargas, mantiveram-se os mesmos. Diante dessa realidade, e de um caso concreto envolvendo restrição de liberdade, o Supremo decidiu agir – Se não agora, quando? Se não nós, quem?. Dois ministros – Roberto Barroso e Edson Fachin – e uma ministra – Rosa Weber –  enfrentaram a questão, deixando claro seu comprometimento com a realização dos direitos reprodutivos das mulheres.

A conversa não termina aqui. A decisão de ontem, embora apenas se aplique ao caso que lhe deu origem, tem enorme força simbólica e indiscutível peso persuasivo: poderá ser utilizada para fundamentar decisões de juízes e tribunais por todo o país. A partir daí, pode, eventualmente, retornar ao Supremo sob a forma de recurso extraordinário com repercussão geral reconhecida, quando se discutirá a ampliação de seus efeitos.

Antes disso, os ecos desse debate poderão ser ouvidos na próxima quarta-feira, quando o Supremo julgará a constitucionalidade da interrupção da gravidez para mulheres grávidas infectadas pelo vírus zika. Será uma oportunidade de ampliar, talvez, a possibilidade de aborto para além do primeiro trimestre, no caso específico da contaminação com zika. Além disso, o julgamento da ação pautada para a próxima semana, ao contrário da decisão de ontem, será vinculante e aplicável para todos, além de ampliar seus efeitos – contará com o voto de todos os ministros, reunidos no plenário, e com a participação de organizações da sociedade a favor e contra os pleitos.

Como o Supremo da próxima semana lidará com o Supremo de ontem? Se o julgamento de fato ocorrer, o plenário sempre pode vir a divergir da decisão tomada na primeira turma. Contudo, para isso, precisaria apresentar argumentos que respondessem às convincentes justificativas apresentadas ontem. E, sobretudo, precisaria romper com o Supremo dos últimos anos – aquele que decidiu favoravelmente ao aborto de feto anencefálico e que se posicionou, mais de uma vez, a favor dos direitos fundamentais das mulheres.

Juliana Cesario Alvim Gomes - Advogada e professora

Aa Aa
COMENTÁRIOS

Comentários