Justiça

Advogado menciona mensalinho de R$ 50 mil a procurador

Segundo Joesley Batista, Ângelo Goulart, do MPF, vazou áudio de audiência e documentos sigilosos
Procurador da república Ângelo Goulart Vilela defendeu as 10 medidas contra a corrupção na Câmara dos Deputados Reprodução
Aa Aa

O advogado Willer Tomaz afirmou a Joesley Batista, presidente da JBS, que repassaria ao procurador da República Ângelo Goulart Vilella um mensalinho de R$ 50 mil para que ele atendesse aos interesses da empresa nas investigações da Operação Greenfield. 

No início Joesley não acreditou que o advogado tivesse influência junto ao procurador da República, mas mudou de ideia quando viu que ele havia recebido via WhatsApp a íntegra da audiência da oitiva de Mário Celso, ex-sócio da Eldorado Celulose, realizada na sede do Ministério Público Federal. Foi então que Tomaz afirmou que pagaria o mensalinho ao procurador.

Francisco de Assis e Silva, advogado do grupo JBS, perguntou no dia 19 de abril se a a propina de fato era paga ao procurador. Tomaz, então, teria confirmado.

Receba as melhores notícias do JOTA no seu email!

Tomaz fez ainda uma reunião em seu escritório com Francisco de Assis e Silva e o procurador da República Ângelo Goulart em que tratou do caso da Operação Greenfield e apresentou documentos de acesso restrito da Força-tarefa do caso.

Os documentos da delação também afirma que Willer Tomaz e Ângelo estariam atuando para atrapalhar o processo de negociação de acordo de colaboração premiada em curso para, possivelmente, proteger amigos políticos integrantes do PMDB, como os senadores Renan Calheiros e Romero Jucá.

Goulart foi preso na manhã de quinta-feira (18/5) durante operação da Polícia Federal.

Alexandre Leoratti - São Paulo

Aa Aa
COMENTÁRIOS

Comentários