ÚLTIMAS

CPP

Bruno H. de Moura Relator do CPP defende uso de prova derivada de ilícita Rubens Júnior (PCdoB-MA) admite a inclusão de tais provas de maneira condicional
Fabio da Rocha Gentile Indícios não são mito Indício é um fato, mas a sua persuasão varia do mesmo modo como varia a das provas diretas
Guilherme Lobo Marchioni Prisão domiciliar cautelar deve ser descontada na pena Sobre a incidência da detração penal
Bruno H. de Moura Relator do CPP propõe aumentar juri e revogar impronúncia JOTA ouviu quatro juristas sobre parecer do deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS)
Bruno H. de Moura e Guilherme Pimenta Relatório de reforma do CPP diminui e limita recursos Paulo Teixeira (PT-SP) também muda prazos e permite interrogatório de réu por tribunais
Michel Cunha Tanaka Limite da publicidade no processo administrativo punitivo Nomes dos envolvidos podem ser revelados, mas na decisão final no processo
Thiago Gomes Anastácio O certo para certas pessoas Gilmar Mendes está certíssimo ao soltar, em caráter liminar, o megainvestidor Eike Batista
Esdras Boccato O depositário nas execuções fiscais As consequências cíveis e penais de sua infidelidade
Carolina Haber Conceder direitos não deveria ser polêmico. Negá-los, sim O caso Adriana Ancelmo e outras mulheres presas com filhos pequenos
Luiz Orlando Carneiro STF suspende preventiva de mãe de bebê Decano do STF, Celso de Mello converteu prisão preventiva em domiciliar. Filha tem 18 meses
Veja Mais
1 de 2