Justiça

Veja os principais nomes da delação dos executivos da JBS

Citações a Temer, Lula, Dilma, Aécio, Serra, Marta, Palocci, Mantega, Eunício e mais
Redação JOTA
Aa Aa

* Na delação feita pela JBS, Joesley Batista afirma que Michel Temer, em 2017, solicitou o montante de 5% do lucro obtido com o afastamento do monopólio da Petrobras no fornecimento de gás, assim como destravamento das compensações de créditos de PIS/COFINS com débitos do INSS. O delator Ricardo Saudosismos, também executivo da JBS, mencionou pagamentos de propina de R$ 15 milhões para o presidente Temer em 2014.

* Em delação, JBS afirma que fizeram pagamentos de propina de US$ 50 milhões depositados em uma conta no exterior para Luiz Inácio Lula da Silva e de cerca de US$ 30 milhões em outra conta em benefício de Dilma Rousseff, por intermédio de Guido Mantega em razão de esquema criminoso do BNDES e em fundos de pensão (Petros e Funcef) para beneficiar JBS. Saldo das contas somavam US$ 150 milhões 2014.

+JOTA: Joesley cita contas de US$ 150 milhões para Lula e Dilma

* Em sua delação, Joesley Batista contou que negociou a compra de cinco deputados contra o impeachment de Dilma Rousseff por R$ 3 milhões. Ele foi procurado pelo deputado João Carlos, do PR.

* Em delação, JBS afirma que fez pagamento de propina, em 2017, no valor de R$ 2 milhões a Aécio Neves em razão da aprovação da lei de abuso de autoridade e anistia ao Caixa 2. Em outro trecho, a JBS afirma que deu R$ 60 milhões em propina para Aécio em 2014. (direitos reservados/reprodução não autorizada)

* Delação de JBS diz que houve repasse de R$ 20 milhões ao senador José Serra a pretexto de campanha eleitoral.

“JB [Joesley Batista] conheceu José Serra na condição de candidato à Presidência da República. Serra fez uma visita a JB na sede da empresa, ocasião em que solicitou uma doação para sua campanha, no total R$ 20 milhões. JB concordou com a doação, que foi feita da seguinte forma: R$ 6 milhões através de notas frias para a empresa LRC Eventos e Promoções, com a falsa venda de um camarote no Autódromo de lnterlagos em São Paulo; R$ 420 mil para a empresa APPM Analista e Pesquisa, também em notas frias; R$ 13.580 reais em doações oficiais diversas conforme indicação do candidato, de acordo com planilha a ser apresentada. A operacionalização dos pagamentos foi feita pelo Sr Furquim, já falecido, amigo de José Serra.”

* Em delação, JBS afirmou que pagou propina a deputado para evitar convocação de Guido Mantega para depor na CPI do Carf.

* Delação da JBS relata pagamento de propina ao ministro da Indústria e Comércio e o presidente nacional do PRB Marcos Pereira em troca de aprovação de um empréstimo de R$2,7 bilhões junto a Caixa em benefício da JBS. Delação também menciona que foram combinados R$ 6 milhões a Pereira, em 2016. Do valor, R$ 4,2 milhões foram repassados, sendo a última parcela entregue em março deste ano. Ele já  é investigado no STF pela delação da Odebrecht.

+JOTA: Joesley cita propina de R$ 6 milhões a Marcos Pereira

* Em delação, JBS diz que fez repasse de R$ 1 milhão para senadora Marta Suplicy  a pretexto de campanha eleitoral de 2010 e repasse de R$ 3 milhões em 2014 em troca de possíveis negócios caso ela vencesse a eleição para a Prefeitura de São Paulo.

* Em delação, JBS afirma repasse de R$ 30 milhões ao ex-ministro Antonio Palocci pela campanha de Dilma em 2010.

* Delação da JBS aponta pagamento de R$ 20 milhões ao ex-governador do Ceará Cid Gomes em troca da liberação de créditos de ICMS.

* Delação da JBS relata pagamentos de R$3,6 milhões ao governador de Minas Fernando Pimentel, na época em que comandava o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio no governo Dilma.

* Delação da JBS relata pagamento de R$ 5 milhões ao presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), em razão da medida provisória que disciplinava créditos de PIS/Cofins.

 

Redação JOTA - São Paulo e Brasília

Aa Aa
COMENTÁRIOS

Comentários